• default color
  • blue color
  • orange color
  • green color
CPanel

Alta Beleza - Seu Mundo Fashion começa aqui!

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Colunista Dr. Maximo Asinelli

Home Colunistas Dr. Maximo Afrodisíacos: verdades e mitos

Afrodisíacos: verdades e mitos

E-mail Imprimir PDF

Dietas para abrir o apetite sexual flertam com a fantasia de que alguns ingredientes podem fazer milagres pela performance na cama. Que alimentos estimulam o desejo, porém, ninguém ainda conseguiu provar.

 

Não existe nada comprovado sobre a eficácia dos chamados afrodisíacos, que seriam capazes de aumentar a libido. Alguns quitutes, porém, têm composição capaz de gerar benefícios que, somados, podem levar à melhora na capacidade sexual.

 

 


O amendoim, por exemplo, é proteico, energético e tem vitamina B3, que estimula a o processo de vasodilatação, facilitando a irrigação de sangue nos órgãos genitais. Mas ninguém deve, por exemplo, parar de tomar um remédio para ereção que esteja prescrito por médico e comer amendoim, pois não vai resolver.


A ostra, outro alimento apontado como nitroglicerina pura, é riquíssimo em zinco, que induz à produção de hormônios ligados ao sexo, facilitando a secreção vaginal. Nada que mexa com o desejo pela relação sexual.
O chocolate também é considerado um afrodisíaco. A fama se deve ao fato de o cacau ser rico em aminoácido, que produz oxido nítrico, que tem efeito vasodilatador. Isso poderia influenciar na ereção e no relaxamento da vagina, mas a quantidade que deveria ser consumida para produzir tal efeito é difícil mensurar.


O que se sabe é que a ingestão de chocolate aumenta a serotonina, melhorando o humor e provocando sensação de prazer, podendo deixar a pessoa mais propensa ao amor. Como o chocolate é um alimento energético também poderia deixar a pessoa com mais ânimo para o sexo.

 

Curta nosso Facebook


Untitled Document


 

Política de privavidade